Ademir Lemos, o Pai do Funk Brasileiro.

Salve Povo do BEN!

Numa relax, numa tranquila, numa boa?!?!?

Quando for procurar as origens da música black no Brasil, vai bater com este nome, Ademir Lemos, foi pioneiro entre os discotecários, esteve no comando da Boate Le Bateau, no final dos anos de 1960. Ele não ficava atrás da aparelhagem de som: recebia fregueses e dançava junto, animando a festa. Contava que se tornou discotecário graças aos seus dotes de dançarino e brincava dizendo que foi a primeira chacrete da TV, dançando rock no programa “Brotos no Comando 1966”, na TV Continental. 

Revolucionou ao lançar o primeiro vinil nacional sem intervalos entre músicas pela gravadora Top Tape o LP “Le Bateaux Ao Vivo”. Na contra capa do disco, ele declarava “Estou na capa, no selo, no meio e na contra-capa desse disco e como tem gente que não me manja, vejo-me na obrigação de falar de mim mesmo”.


Ficou muito conhecido com os lendários Bailes da Pesada que fazia junto com o animador e locutor de rádio Big Boy, uma verdadeira epidemia que tomou conta de todo o Rio de Janeiro, tendo como ponto de partida a casa Canecão. Os Bailes atraíam cerca de 5 mil dançarinos de todos os bairros cariocas, tanto da Zona Sul quanto da Zona Norte. A programação musical também tendia ao ecletismo: Ademir tocava rock, pop, mas não escondia sua preferência pelo soul de artistas como James Brown, Wilson Pickett e Kool and The Gang.

Ademir Lemos foi co-produtor do único disco da banda de rock setentista Módulo 1000, "Não Fale com Paredes", lançado em 1971. O vinil virou peça de colecionador e é disputado em várias partes do mundo até hoje.

Já no  final dos anos 80 e início dos anos 90, Ademir se lançou como cantor de funk, primando pela qualidade nas produções. Mais uma vez visionário, anteviu a onda do funk e em 1989 lançava a “Melô do Arrastão”, aproveitando a onda de arrastão que assolou a orla carioca. Em  1991, lança o álbum “Um Senhor Baile” com o sucesso “Rap da Rapa” de duplo sentido produzido em conjunto com o DJ Iraí Campos, com samples das músicas “Money for nothing” do Dire Straits e "Cocaine" de Eric Clapton.



Em 1996, Ademir Lemos sofreu um derrame que o deixou paralizado. Foi morar com sua filha, em São Paulo, e morreu no dia 24 de fevereiro de 1998, aos 52 anos, de complicações de uma cirurgia, após uma queda.

No mais... aquele abrAÇO e #espalheapalavra
Yuga




9 comentários:

20 de junho de 2011 17:31 Bandoleiro disse...

No dia 25 de dezembro de 1976, no Programa Ademir Lemos/TV RIO tivemos a final de evento do melhor cover do James Brown. Escrevo em nome de Wanderley Brown, o grande vencedor do concurso Ademir Animação pedindo a ajuda de todos para localizar a gravação à época. Conto com a ajuda de todos vocês, amigos e fãs de James Brown.

Muito obrigado,
Luiz Viana
vianalc@gmail.com

21 de julho de 2014 02:13 junior do love dj disse...

Conheci ademir pessoalmente no grand master studio,meu maior arrependimento foi não ter tirado uma foto com ele,ademir era reliquea!

19 de janeiro de 2015 14:50 Anônimo disse...

Adoro o rap da rapa,sensacional.

19 de janeiro de 2015 14:54 Anônimo disse...

Ele não era bonito,mas era chamoso e super inteligente,adoooro as músicas dele,se alguém souber algo sobre a filha dele publica aí.Que ele descanse em paz.

27 de junho de 2015 14:01 guepamje disse...

o pedro de lara da soul music

27 de junho de 2015 14:04 guepamje disse...

viva o bing boing

20 de agosto de 2015 21:54 Anônimo disse...

OBRIGADO POR ESSE MOMENTO. DANCEI MUITO NOS BAILES DA PESADA, JUNTO COM MEU MARIDO. ABRAÇOS.

12 de junho de 2016 19:52 MARCELLUS HYLMANN disse...

Fã dele sempre serei, o funk no Brasil tem sua assinatura.

12 de junho de 2016 19:53 MARCELLUS HYLMANN disse...

Fã dele sempre serei, o funk no Brasil tem sua assinatura.

Postar um comentário

 
 
BlogBlogs.Com.Br